home / Disfunção Erétil /

Perguntas e Respostas

Perguntas e Respostas

1
O que é a Disfunção Erétil?

A disfunção erétil é definida como a incapacidade persistente de atingir e manter uma ereção suficiente que permita uma relação sexual satisfatória. Por outras palavras, quando a rigidez da ereção não é suficiente para permitir a penetração ou quando essa rigidez não se mantém até ao final da relação sexual.1

Apesar de ser uma disfunção benigna, a disfunção erétil pode afetar a saúde física e psicossocial e ter um impacto significativo na qualidade de vida dos homens que sofrem desta condição e das suas parceiras.1

Estudos demonstram que a disfunção erétil pode ser uma manifestação precoce de doença vascular periférica ou de doença coronária, pelo que deve ser encarada não só como uma questão de qualidade de vida mas também como um aviso potencial de doença cardiovascular.1
Felizmente, hoje existem soluções eficazes para o tratamento da disfunção erétil.

 

1 EAU Guidelines 2015

2
Quais são as causas da Disfunção Erétil?

Um funcionamento erétil normal requer a coordenação de fatores psicológicos, hormonais, neurológicos, vasculares e anatómicos. Alterações em quaisquer destes fatores são suficientes para causar a Disfunção Erétil.

Usualmente, estes fatores estão envolvidos de forma combinada1. Apesar de a origem da Disfunção Erétil ser primariamente psicogénica (cerca de 20% dos casos) e somática (cerca de 20%), a maior parte dos pacientes tem uma desordem orgânica na sua génese, normalmente ligada a uma forte componente psicológica (Disfunção Erétil mista – cerca de 60% dos casos)2.

Alguns homens assumem a Disfunção Erétil como uma parte natural do processo de envelhecimento e toleram-na. Para outros é devastadora, levando a um afastamento dos contactos sexuais, devido ao medo de falhar. Isto pode prejudicar as relações e ter um profundo efeito nocivo no bem-estar global do casal1.

Dado que a Disfunção Erétil acompanha diversas doenças crónicas, como a diabetes mellitus, doenças cardiovasculares, hipertensão arterial e diversas doenças neurológicas, os doentes são normalmente observados por técnicos de diversas especialidades médicas3, realçando a necessidade da informação partilhada e da multidisciplinariedade.

 

referências bibilográficas
1 Krane et al., 1989
2 Korenman, 1995
3 Wagner & Saenz de Tejada, 1998

3
Porque é que a automedicação é contraindicada?

A automedicação é geralmente inútil, ou pior, perigosa e deve ser evitada, pois envolve muitos riscos. Mas, acima de tudo, evite obter um medicamento na internet em comerciantes não autorizados.

É importante notar ainda que muitos dos tratamentos disponíveis são medicamentos sujeitos a receita médica e, assim, é preciso cuidado com os sítios da internet que vendem esses tratamentos sem pedir receita médica. Lembre-se de que podem ser farmácias online ilegais, que vendem medicamentos contrafeitos. É importante tomar medicamentos genuínos, em primeiro lugar pela sua saúde e bem-estar e também pela sua segurança, uma vez que os medicamentos falsificados contêm muitas vezes substâncias muito perigosas. Assim, deve tomar sempre medicamentos prescritos por um médico e comprados numa farmácia de confiança.
 

4
Existem vários tipos de Disfunção Erétil?

Sim, a Disfunção Erétil pode ser:

  • Disfunção Erétil vascular – tem a ver com o aporte arterial de sangue ao pénis, a saúde vascular das estruturas dos corpos cavernosos e os mecanismos de veno-oclusão sanguínea do pénis.
  • Disfunção Erétil endocrinológica – está ligada a desequilíbrios hormonais, principalmente à testosterona e a fatores de libertação de gonadotrofinas.
  • Disfunção Erétil psicogénica – lida com perturbações ligadas ao sistema nervoso central e apresenta-se com uma estrutura nervosa periférica e rede vascular peniana intactas.
  • Disfunção Erétil de causa neurológica – tem a ver com lesão ou comprometimento do sistema nervoso periférico, quer seja da espinal medula ou da rede periférica, como é o caso da neuropatia diabética1.
  • Disfunção Erétil iatrogénica – como o próprio nome sugere, relaciona-se com as alterações induzidas pela ingestão de determinadas substâncias ou medicamentos, como o álcool, alguns anti-hipertensores, antidepressivos ou esteróides, entre outros2.
Além disso, não esquecer as consequências da cirurgia pélvica radical (cancro do reto, próstata e bexiga).

A Disfunção Erétil mista resulta do envolvimento aleatório de mais de um dos sistemas apresentados na génese da disfunção, sendo no entanto mais utilizada na prática clínica para definir uma Disfunção Erétil originada por ambos os fatores, físicos e psíquicos.

Sem uma história clínica cuidada e avaliações físicas e psicológicas adequadas, torna-se difícil avaliar o grau de envolvimento de uma ou de todas estas condições. Raramente existe uma Disfunção Erétil puramente psicogénica ou orgânica, mas frequentemente uma condição patológica envolvendo contribuições de múltiplos componentes1.

 
referências bibliográficas
1 (Nehra & Goldstein, 1999)
2 (Wagner & Saenz de Tejada, 1998)

5
A Disfunção Erétil pode estar associada a doença cardiovascular?

Estudos demonstram que a disfunção erétil pode ser uma manifestação precoce de doença vascular periférica ou de doença coronária, pelo que deve ser encarada não só como uma questão de qualidade de vida, mas também como um aviso potencial de doença cardiovascular.1

1 EAU Guidelines 2015

6
Quais os tipo de terapêuticas da Disfunção Erétil?

As opções terapêuticas da Disfunção Erétil podem dividir-se em cirúrgicas e farmacológicas. As terapêuticas cirúrgicas incluem a cirurgia vascular e a colocação de próteses penianas. No entanto, as terapêuticas farmacológicas orais apresentam resultados cada vez mais satisfatórios, à medida que surgem novas soluções.

Independentemente da terapêutica de que possa necessitar, é fundamental reforçar a importância da alteração dos fatores de risco, que passam pelo controlo adequado da pressão arterial, da diabetes e da dislipidemia, que o seu médico acompanhará, e pela adoção de hábitos de vida saudáveis, que dependem apenas de si:

  • evitar o álcool e o tabaco;
  • promover a atividade física regular.