home / EJACULAÇÃO PREMATURA / Sobre a Ejaculação Prematura /

Ejaculação Prematura, Sofrimento Pessoal e relação entre o casal

 

Ejaculação Prematura, sofrimento pessoal e relação entre o casal

 

 

Uma vida sexual satisfatória é essencial para qualquer relação de sucesso, e o bem-estar sexual é fundamental para a saúde global de uma pessoa. A Organização Mundial de Saúde (OMS) define saúde como “um estado de completo bem-estar físico, mental e social, e não apenas a ausência de doença ou enfermidade”.

A insatisfação sexual pode causar frustração, raiva e desilusão, e ter um impacto negativo na intimidade e harmonia do casal. O desconforto do homem, físico e psicológico, associado à reduzida satisfação sexual da sua parceira, pode originar problemas graves na vida sexual e emocional do casal. Por outras palavras, existem vários aspetos relacionados com a Ejaculação Prematura que podem ter efeitos negativos no casal.

Os homens com Ejaculação Prematura e as suas parceiras apresentam:

  • Redução dos níveis de funcionamento sexual;
  • Redução do nível de satisfação com as relações sexuais;
  • Redução da qualidade de vida global;
  • Níveis elevados de frustração;
  • Níveis elevados de dificuldades interpessoais.

Afigura-se inquestionavelmente difícil falar sobre Ejaculação Prematura, tanto para os homens como para as mulheres. Apenas 9% dos homens com Ejaculação Prematura consulta um médico a propósito do seu problema, e mais de metade (52,2%) dos que não consultaram um médico refere nunca ter colocado essa hipótese;

Os homens com Ejaculação Prematura consideram que não proporcionam uma satisfação sexual adequada às suas parceiras, mas escondem o problema

Por outro lado, as parceiras poderão pensar que o homem é egoísta. Muitas vezes, uma conversa aberta demonstra que o próprio homem se sente igualmente mal com o problema.

A Ejaculação Prematura é um problema que o casal deve procurar resolver em conjunto. O diálogo mútuo une o casal e representa uma das “armas” mais eficazes na procura de uma solução. Aqui, o papel da parceira revela-se essencial, uma vez que facilita a tomada de consciência do problema por parte do homem e promove a procura de ajuda. De facto, é muitas vezes graças à parceira que os homens procuram um médico, o que constitui um procedimento fulcral e a única forma de diagnosticar o problema com precisão, apurar a causa subjacente e prescrever, se necessário, um tratamento eficaz para o tratar.

Uma maioria de homens com Ejaculação Prematura (mais de 60%) afirmou que procuraria tratamento para a sua disfunção sexual, caso a sua parceira o sugerisse, e quase 75% admitiu ter procurado tratamento, com base no desejo de aumentar a satisfação sexual da respetiva parceira. 

Concluindo, a Ejaculação Prematura é realmente um assunto complicado de abordar, mas falar abertamente com um médico é a única forma de o ultrapassar. Assim, torna-se necessário:

  • Superar tabus e inibições ao falar da Ejaculação Prematura;
  • Reconhecer que a Ejaculação Prematura é um problema médico que pode ser tratado com sucesso;
  • Ir ao médico para obter um diagnóstico correto e conseguir o tratamento adequado.
referências bibliográficas
1. Althof SE et al. J Sex Med. 2010;7(9):2947-2969.
2. Atikeler MK, Gecit I, Senol FA. Andrologia 2002;34(6):356-359.
3. Broderick GA. J Sex Med 2006;3(4):295-302.
4. Buvat J. J Sex Med 2011;8(suppl 4):316–327.
5. Donatucci CF. J Sex Med. 2006;3(Suppl 4):303-308.
6. EAU Guidelines on ED and PE 2012.
7. El-Nashaar A, Shamloul R. J Sex Med. 2007;4(2):491-496.
8. Gallo L, Perdonà S, Gallo A. J Sex Med. 2010;7(3):1269-1276.
9. Giuliano F et al. BJU International 2008;102 (6):668-675.
10. Giuliano F, Clement P. Eur Urol 2006;50 (3):454-466.
11. Graziottin A, Althof S. J Sex Med 2011;8 Suppl 4:304-309.
12. Halvorsen JG et al. J Am Board Fam Pract 1992;5:51-612.
13. http://www.fda.gov/Drugs/DrugSafety/ucm169898.htm
14. http://www.sciencedaily.com/releases/2012/02/120222093503.htm
15. Jannini EA et al. Sessuologia Medica. Trattato di psicosessuologia e medicina della sessualità. Elsevier Masson Ed. 2007
16. Jannini EA, Lombardo F, Lenzi A. Int J Androl 2005;28 Suppl 2:40-45.
17. Jannini EA, Porst H. J Sex Med 2011;8 Suppl 4:301-303.
18. Jannini EA, Simonelli C, Lenzi A. J Endocrinol Invest 2002;25(11):1006-1019.
19. Laumann EO, Paik A, Rosen RC. JAMA. 1999; 281 (6) :537-544.

20. Limoncin E, Tomassetti M, Gravina GL et al. J Urol 2012 Nov 6. Epub ahead of print.
21. Lindau ST, Schumm LP, Laumann EO et al. NEngl J Med 2007;357:762–74.
22. Masters WH, Johnson VE. Human sexual inadequacy. Boston: Little Brown; 1970:92–115.
23. McCarty EJ. Core Evidence 2012;7:1-14.
24. McMahon CG et al. J Sex Med 2008;5:1590–1606.
25. McMahon CG et al. J Sex Med 2011;8:524-539.
26. McMahon CG, Jannini E, Waldinger M, Rowland D. J Sex Med 2013;10(1):204-229.
27. Montorsi F. J Sex Med 2005;suppl 1:8, ABS PS-3-1.
28. Porst H et al. Eur Urol 2007;51(3):816-824.
29. Porst H. “Premature Ejaculation”. In: Porst H, Reisman Y (eds):The ESSM 30. Syllabus of Sexual Medicine.Medix Publishers,Amsterdam 2012; pp 547-595.
31. Revicki V et al. Health and Quality of Life Outcomes 2008;6:33.
32. Rosenberg MT, Sadovsky R. Identification and diagnosis of premature ejaculation. Int J Clin Pract. 2007;61(6):903-908.
33. Screponi E, Carosa E, Di Stasi SM et al. Urology 2001;58(2):198-202.
34. Shabsigh R, Rowland D. J Sex Med 2007;4 (5):1468-1478.
35. Sotomayor M. J Sex Med 2005;2(2):110-114.
36. Waldinger MD. Premature Ejaculation Definition and Drug Treatment. Drugs 2007;67 (4):547-568.
37. World Health Organisation. ICD-10;1992. p. 355–356.
38. www.eaasm.eu "The Counterfeiting Superhighway" report