home / Tabus /

Orgasmo clitórico / orgasmo vaginal

NA

 

Orgasmo clitórico / orgasmo vaginal 

 

Ao contrário dos homens, as mulheres têm duas "portas" para o prazer

Se o orgasmo vaginal não existisse (como alguns céticos alegam), a Ejaculação Prematura nunca se tornaria um problema. Contudo, o orgasmo vaginal existe, e a Ejaculação Prematura é, efetivamente, um problema. Enquanto o homem apenas tem uma "porta" para o prazer, a mulher tem pelo menos duas – a vagina e o clítoris. As mulheres, segundo as suas experiências sexuais e também diversos estudos científicos, podem ter um orgasmo gerado pela estimulação do clítoris, da vagina, ou por uma combinação dos dois. Há também os que alegam a existência de um terceiro tipo de orgasmo, através da estimulação do colo, mas a percentagem de mulheres que o consegue sentir é muito baixa.

Quais as diferenças entre o orgasmo clitórico e o vaginal? O orgasmo clitórico é o mais referido dos dois, sendo provavelmente alcançável por todas as mulheres. O clitóris está exposto, podendo ser estimulado de forma rápida e fácil e, uma vez alcançado o orgasmo, o corpo é invadido por uma sensação de calor e eletricidade. 

No entanto, algumas mulheres detêm uma maior sensibilidade clitórica, pelo que a estimulação do clitóris poderá ser sentida como irritante, causando desconforto, em vez de prazer.

O orgasmo vaginal, muito menos frequente do que o primeiro (apenas cerca de 20 a 30% das mulheres o atingem), está relacionado com a penetração durante as relações sexuais. A pressão e a fricção chegam a uma área da parede vaginal frontal – identificada como o ponto G – e causam um orgasmo mais intenso, caracterizado por uma sensação de pulsação profunda. Vindo de uma zona erógena diferente, o orgasmo vaginal não se trata de uma simples extensão do clitóris dentro da vagina. A diferença entre as áreas originárias dos orgasmos vaginal e clitórico é igualmente apoiada por observações clínicas. Usando autoerotismo, foi observado, através de ressonância magnética (RM), que os orgasmos clitórico, vaginal e cervical ativam áreas sensoriais distintas no cérebro da mulher.